A ode de Scott Matthew no Tivoli

  

ScottMatthew 1

Por incrível que pareça, a mistura explosiva de uma noite de domingo chuvosa com melodias híper-melancólicas não deu aos presentes no Teatro Tivoli uma vontade louca de cortar os pulsos. Convidado do Misty Fest, o australiano Scott Matthew encerrou o seu ciclo de 4 espetáculos no festival com várias odes ao amor, à vida, aos entes e aos locais queridos, mas sempre com uma desarmante gargalhada de menino e muita, muita honestidade.

«Hoje estou muito falador», diria às tantas o cantautor que vive há 20 anos em Nova Iorque e cuja relação com Portugal ganhou expressão através da parceria com Rodrigo Leão. O carinho pelo nosso país é tal que o músico até já explica em canção o bem que se está em Santarém. Sim, a cidade ribatejana é um dos locais que Scott Matthew decidiu elogiar no seu mais recente álbum, Ode to Others. Em disco, e ao vivo, evoca também o pai, o tio gay e de pele escura que nunca chegou a conhecer, ou o amigo que, como ele, sofria de amores mas não tinha a música para escoar a sua dor. Ele agora já se deixou de tanto melodrama, ainda que o seu timbre se vista sempre de uma melancolia que nos embala.

ScottMatthew 5

 

No alinhamento desta noite prazerosa houve espaço para esses temas antigos, dos tempos em que era mal amado, mas também várias covers de outros artistas, uma das suas perdições ao ponto de inspirar um álbum inteiro. 'Flame Trees', dos australianos Cold Chisel, prestou homenagem às suas origens geográficas. Já 'Do You Really Want to Heart Me', dos Culture Club, trouxe para o Tivoli a história do momento em que, pré-adolescente viu pela primeira vez o ícone Boy George. «A minha cabeça como que explodiu e os meus pais perceberam que o pior estava para acontecer», brincou sobre as suas orientações sexuais. O espetáculo não terminaria sem outra diva da comunidade LGBT, Whitney Houston, e o pop alegre de 'I Wanna Dance With Somebody', cantado bem afinado pela plateia.

Outras danças
E por falar em danças, na noite anterior ao show de Scott Matthew foi a vez do coletivo português Danças Ocultas apresentar ao vivo o álbum Dentro Desse Mar, tal como já haviam feito em Coimbra, no âmbito deste Misty Fest, e ainda voltarão a fazer no dia 21, na Casa da Música do Porto. As concertinas de Artur Fernandes, Filipe Cal, Filipe Ricardo e Francisco Miguel contaram em palco com o violoncelista brasileiro Jaques Morelenbaum, responsável pela produção deste novo registo, e de Dora Morelenbaum, cantora.

DançasOcultas 1

Até 25 de novembro, outros artistas brilharão em concertos de norte a sul do país. Chassol, Avishai Cohen Trio, Pianorquestra com Luísa Sobral, Andre Motis, Aline Frazão, Will Samson, Beatriz Nunes e Francisco Sales são os nomes em destaque na programação que podes consultar na íntegra aqui.

(Fotos de Nuno Andrade)