À procura dos jovens empreendedores sociais

  

ue 4

Foi hoje apresentado, no campus da Universidade Europeia, em Carnide, o Programa Jovens Empreendedores Sociais - uma iniciativa inserida na Youth Action Net da Laureate. Inscrições estão abertas até 10 de setembro. 

Dina começou um projeto no México de educação para cidadania e, atualmente, a sua ONG trabalha com mais de 100 mil crianças em sete países. Já Gustavo implementou um projeto de formação inclusiva em inglês para públicos desfavorecidos que resultou na empresa "4u2". Estas são apenas duas das mais de 1700 iniciativas que, ao longo dos últimos 23 anos, já passaram pela YouthActionNet, uma iniciativa do grupo Laureate que capacita, apoia e divulga projetos de jovens empreendedores sociais. 

Os exemplos foram hoje destacados pelo Diretor de Formação e Aprendizagem da YouthActionNet, Joel Adriance, durante o lançamento do novo programa da Universidade Europeia que se insere nesta rede: o Programa Jovens Empreendedores Sociais. A iniciativa assume uma designação diferente em cada um dos 23 países e regiões do globo em que é dinamizado. "Em comum, todos os projetos têm impacto social, são inovadores e procuram uma mudança sistémica", realçou Joel Adriance. 

ue 2
ue 3

Na edição hoje apresentada, o âmbito é nacional, ou seja, a Universidade Europeia procura projetos que tenham impacto na sociedade portuguesa. Para tal, os interessados devem inscrever-se através da plataforma online www.bit.ly/programa-jes. Depois de uma primeira fase de seleção, em que são escolhidos 10 projetos finalistas, serão apurados cinco vencedores. Conforme destacou a diretora do programa, Susana Martins, "não existe apenas um vencedor". Um dado que vai ao encontro do espírito "colaborativo" e desta iniciativa que procura "criar uma rede". 

O concurso procura projetos de cariz social ou ambiential que registem, pelo menos, três meses de funcionamento, sendo dinamizados por empreendedores com idades compreendidas entre os 18 e os 29 anos. Os critérios de avaliação, explicou Susana Martins, são "capacidade de liderança, sustentabilidade, impacto social, inovação e capacidade de contribuir para o programa". 

ue 4
Sessão incluiu a apresentação do jurí do PJES

Os prémios atribuídos, acrescentou, são de três ordens: formação, acesso a recursos financeiros/humanos e visibilidade. Para além de uma semana de formação em Madrid, integrados na rede de network com os vencedores das iniciativas congéneres, os premiados receberação ainda uma doação de 2.000€ e terão o seu projeto divulgado pela rede internacional da Laureate. De resto, uma das principais mais-valias é, também ela, de cariz colaborativo: a integração na rede de jovens empreendedores YouthActionNet. 

A sessão de lançamento contou com o testemunho de um português integrado nesta rede. Miguel Pavão iniciou, há oito anos, o projeto "Mundo a Sorrir", uma ONG centrada na promoção da saúde e na prestação de cuidados de saúde oral a populações desfavorecidas espalhadas pelo globo. Recordando a sua experiência, Miguel Pavão destacou a possibilidade de "conhecer vários empreendedores sociais de todas as partes do mundo", bem como "os conhecimentos adquiridos na área da liderança, gestão e comunicação". 

ue 1
O Reitor da Universidade Europeia, Pedro Barbas Homem

Presente na sessão, o Reitor da Universidade Europeia, Pedro Barbas Homem, destacou este programa como "a oportunidade de dar um passo em frente", para várias organizações e empreendedores. A Universidade Europeia, reforçou, "coloca um grande empenho na área da responsabilidade social", sendo que este programa é também uma forma de garantir que "os projetos desenvolvidos atinjam fins mais amplos e resultados mais profundos". 

No mesmo sentido, o embaixador do programa JES, Rui Marques, destacou a relevância da iniciativa, face ao contexto internacional. "O Mundo precisa, mais do que nunca, de um despertar de consciências que tenha uma ação consequente". Por essa razão, acrescentou, este programa, "ao capacitar, identificar e promover os projetos dos jovens", é "da maior importância". Os jovens, reforçou, são um público que poderá "encontrar novas soluções para velhos problemas".