"A taxa de mortalidade de um jovem ao volante é 40% superior", começou por destacar Carlos Moreira, do Departamento de Frota e Mobilidade da Brisa. O orador destacou as várias razões para este dado, durante a sessão de enquadramento que marcou o início das atividades do terceiro dia, inseridas na Academia Brisa de Condução, que se centraram em conceitos essenciais do mundo da prevenção e segurança rodoviária.

Para além da imaturidade e falta de experiência, há outros comportamentos que podem explicar este risco acrescido para os condutores mais jovens, explicou o orador: a atração pela velocidade, a desvalorização da fadiga, a não utilização do cinto de segurança, o uso do telemóvel ao volante ou o consumo de álcool são os principais exemplos. A sessão de acolhimento dos participantes incidiu, precisamente, nos reais perigos associados a estes fatores de risco.

Brisa SDC dia 3 6
Brisa SDC dia 3 1

Brisa SDC dia 3 5

Para além destes comportamentos, há ainda erros frequentes. Má avaliação de situações de trânsito (como ultrapassagens) ou manobras precipitadas (sem calcular o risco) são causas recorrentes para mortes de jovens na estrada. "Os acidentes acontecem, em 90% dos casos, por erro do condutor", realçou Carlos Moreira. As avarias do veículo (5%) ou anomalias no ambiente rodoviário (5%) são explicações residuais para estes sinistros. 

No caso específico dos jovens, a distração (com telemóveis, por exemplo) ou a sobrevalorização das próprias capacidades são alguns dos fenómenos que podem contribuir para estes erros. Por essa razão, salientou o formador, o conceito de "Condução Defensiva" é essencial. A ideia-chave passa por "antecipar problemas": "Devemos utilizar a informação que já temos [sobre o contexto] para nos defendermos". Esta prática pode revelar-se decisiva, por exemplo, ao possibilitar uma reação mais eficaz a imprevistos.

Brisa SDC dia 3 7

Brisa SDC dia 3 3

Brisa SDC dia 3 2

O programa do dia incluiu, depois, a divisão das equipas por quatro estações de atividades: para além de dois espaços com simuladores (automóveis e motociclos), os cinquenta estudantes puderam compreender melhor a relação entre tempo de reação e distância de travagem, bem como sentir, na primeira pessoa, alguns dos efeitos da velocidade na tração e no controlo de um carro

A fechar o dia, tempo para uma passagem pela Zona de Lazer de Castelo, junto à Piscima-Praia da cidade. Junto às margens do lago, os cinquenta estudantes puderam fazer jogos e relaxar. A Academia da Segurança Rodoviária continua amanhã, com atividades promovidas pela Guarda Nacional Republicana e pela Escuderia Castelo Branco.  

 MG 4190