21 885 47 30 | geral@forum.pt

Teatromosca estreia a 5 de julho, na Quinta da Ribafria (Sintra), um espetáculo com atores não profissionais, com idades a partir dos 15 anos.

Este verão, a companhia estreará, na Quinta da Ribafria, em Sintra, “O Deus das Moscas”, produzido pelo teatromosca e promovido pela Fundação Cultursintra, uma adaptação do romance homónimo de William Golding, com encenação de Pedro Alves e banda sonora original composta por Noiserv.

Inserido num ciclo em que este coletivo teatral se empenha em questionar conceitos como “identidade”, “juventude” e “maioridade”, o trabalho com estes 13 jovens (atrizes, produtores, técnicos etc.) passa tanto pela criação de um espetáculo de teatro que fará carreira entre 5 de julho e 31 de agosto, às sextas e sábados, às 21.30h, como pela formação dos jovens em diferentes áreas relacionadas com as artes performativas, ao mesmo tempo que, na sala de ensaios, são dinamizadas sessões de reflexão com toda a equipa (profissional e não profissional), procurando discutir temas que, de algum modo, poderão estar relacionados com o texto e que deverão, igualmente, vir a enformar o espetáculo.

Deste modo, serão debatidas questões prementes como a ascensão de regimes totalitários, o conceito de maioridade e a perda da inocência, as visões conflituantes que poderão opor a civilização à selvajaria, a ordem e a lei à anarquia e ao caos, ou que, numa posição mais ampla, tenderiam a opor o bem ao mal. Em “O Deus das Moscas”, há um avião que se despenha numa ilha paradisíaca. Há um grupo de rapazes de colégios britânicos que sobrevive a esse acidente, quando fugia de uma (qualquer) guerra. Longe da supervisão dos adultos, começam por festejar, brincar, nadar nas águas cristalinas do ilhéu. É nesse ambiente exo?tico, luxuriante e tropical, conscientemente selvagem e sufocante, que o grupo procurará criar bases para a edificação de uma nova sociedade. À medida que os dias vão passando, sem sinais do mundo exterior, sem salvamento à vista, à medida que o frágil sentido de ordem começa a ruir, os jovens tornar-se-ão tribais e, depois de o corpo de um piloto cair de paraquedas na ilha, as suas inquietações ganharão contornos sinistros e bárbaros. O mundo paradisíaco das brincadeiras, dos livros de aventuras, acabará por dar lugar a um cenário assustador, a puerilidade dissolver-se-á na água do mar e os medos irão correr à solta, embrenhando-se na densa floresta tropical.  

Publicado em 1954, “O Deus das Moscas” é um dos romances essenciais da literatura mundial e pode ser visto como uma alegoria, uma parábola, um tratado político ou até mesmo uma visão apocalíptica da fragilidade humana. 

 

Pub Study Abroad Portugal
Pub Lisboa Games Week
Pub Glion2
Últimas - Artes
Artes
16 Outubro 2019

José Neves e Margarida Vila-Nova são Pedro e Inês em 'Reinar Depois de Morrer', em cena de 25 de outubro a 17 de novembro.

Artes
15 Outubro 2019

Exposição 'Um Século e Tanto: 130 anos National Geographic” estará patente de 18 de outubro a 19 de julho, no renovadas instalações do Museu de História Natural e da Ciência da Universidade do Porto (MHNC-UP).

Artes
14 Outubro 2019

Criadores da Escola de Moda de Lisboa (EML) apresentam os seus trabalhos no dia 24 de outubro, pelas 20h30, no Largo de São Carlos. Evento inclui também  um desfile intergeracional.